Infinito e maravilhoso

unb2015

Nenhuma imagem expressa o ano de 2015 em sua totalidade, mas a UnB sempre será o retrato da minha felicidade nos últimos quatro anos e meio

2015 foi ótimo, né? Me sinto até indo contra a maré dizendo isso, mas para mim é a mais pura verdade. Passei os últimos anos me dedicando bastante aos estudos: a UnB era minha vida e prioridade total. Sempre. Mesmo que meu curso não seja lá o mais difícil do mundo de se formar (tenho consciência e não nego), mas tentei tirar algo a mais de toda a experiência. Até mesmo estagiei pouco, evitando trabalhar durante os semestres mais puxados, e mantive uma postura de exclusividade este ano.

Em 2014 eu trabalhei e economizei uma grana, porque este ano foi do meu TCC e da minha juventude. Somando tudo, cursei só 22 créditos durante 2015, para que pudesse fazer o melhor trabalho de conclusão de curso que conseguisse produzir diante da minha capacidade, tempo e área de interesse. Eu tenho orgulho dele. Não por ser o melhor trabalho que já vi na vida, não é e está longe de ser. Mas ele é tudo que eu queria que fosse e essa recompensa emprego nenhum me proporcionou.

Além disso, que me chamem de imprudente diante da circunstância, mas 2015 também foi o ano para gastar tudo que economizei em 2014. Eu nunca viajei tanto. Aproveitei a companhia dos meus amigos próximos, reencontrei amigos de longe, conheci gente nova, fiz umas maluquices de fã, fui na praia e vivi coisas que há muito nem lembrava como eram. Eu deixei ser e foi. Foi bem louco, foi bem intenso e foi incrível. Eu tenho um medo imenso de viver a vida e finalmente estou vencendo a batalha contra a covardia.

2016 será um ano de incertezas e eu sei das dificuldades. Terei um diploma e um mundinho meio hostil me esperando. O mercado de comunicação não é bom com os profissionais da área e quem não tem medo do desconhecido, afinal? Mas 2015 me preparou para lidar com isso ao me proporcionar felicidade e realização. Eu estou satisfeita com as minhas escolhas e pronta para um ano difícil em busca de novas oportunidades e vivências. Eu tenho muita sorte e a vida tem sido boa comigo. Por hoje, eu só tenho a agradecer. Que venha 2016.

Anúncios

Querida Ana… – O Filme

Quando via os extras dos filmes – onde elenco, direção e produção se abraçam – nunca entendia direito o que era aquele vínculo criado. Mas agora eu sei, por mais amador que tudo possa parecer. Obrigada pelo esforço, por agirem com maturidade, compreensão, compromisso e competência. Foi delicioso trabalhar com vocês esse semestre e nenhum desses vínculos seria o mesmo sem Oficina Básica de Audiovisual. Que as amizades construídas continuem de pé e que as pequenas coisas ainda façam sentido daqui alguns anos.

Com vocês, “Querida Ana”:

 

 

Elenco:
Isabela Resende
Tereza Padilha

Direção:
Luiz Felipe Nascimento

Roteiro:
Raila Spindola

Direção de Arte e Fotografia:
Janaina Bolonezi
Thiago Amorim

Produção:
Jadde Lima
Jéssica Martins

Edição:
João Gusmão

Espero que gostem. =)

Novidades

Olá, olá.

Estou passando pra avisar que eu ainda vivo, por incrível que possa parecer. A faculdade está tensa, estou meio que deixando de dormir e comer pra fazer trabalhos, sabe? Essa postagem é pra dizer que, se tudo der certo, poderei atualizar o blog no final de semana. Além disso tenho uma novidade que é o fato de estar com um segundo blog, o Pena Mágina, em grupo com pessoas fantásticas, algumas das quais tenho no meu vínculo de amizade que escrevem melhor. Então, quem estiver afim de ler algumas postagens literárias legais (contos, crônicas, poemas, etc), provavelmente em breve teremos novidades por lá.

Então pra não dizerem que resolvi fazer uma postagem tosca pra falar da minha vida e divulgar meu blog novo, encerrarei com uma musiquinha. *-*

Desculpem ter desaparecido.

Beijinhos.

Federal x Particular

Admito que estou um pouco surpresa e aliviada com certas coisas desde que entrei na universidade. Acho engraçado que a imagem que me fizeram criar das universidades públicas não chega nem perto do que eu estou presenciando nesse momento, já que a estrutura da Faculdade de Comunicação (a minha, no caso) é admirável.

UCB - Universidade Católica de Brasília (Particular)
UnB – Universidade de Brasília (Federal)

Claro, não estou sendo alienada e dizendo que todas as faculdades da UnB são perfeitas, até porque não conheço nem metade e já vi sim muitas salas de aula com carteiras velhas e quadros muito antigos. Mas o pior é que todos que me falavam mal da estrutura da UnB eram exatamente as pessoas que não estão lá, engraçado, não é? Será coincidência?

Não estou dizendo que os alunos da rede particular estão sendo invejosos (também não estou dizendo que não estão), mas essa rixinha é ridícula. Eu recebi um e-mail de discussão entre alunos da UnB e da UCB (Universidade Católica de Brasília) outro dia. Os da federal chamando os da particular de riquinhos burros que só passavam porque pagavam, os da particular dizendo que todos da federal eram maconheiros e que a universidade era uma porcaria.

UCB - Universidade Católica de Brasília (Particular)
UCB – Universidade Católica de Brasília (Particular)

Vamos lá, ninguém conhece a faculdade do outro pra ficar falando besteira, ninguém sabe as coisas ruins e boas, as pessoas falam mal da outra instituição sem conhecer absolutamente nada e todos começam a atacar alunos como se o lugar que você estuda definisse se você é burro ou drogado.

Eu estou na UnB, não bebo, não fumo, não uso drogas e não participo de surubas. Eu estudo sentada em carteiras acolchoadas, em uma sala com ventilação, projetores e quadros brancos novos. Corro o risco de ter greves onde estudo, mas tenho ótimos professores. Estudei demais pra passar em um processo seletivo muito concorrido, mas em compensação estudo de graça. Vocês pagam caro – muito caro mesmo, no caso das ótimas faculdades particulares – tem uma estrutura também ótima, professores igualmente ótimos, mas não sofrem com greves. Não é mentira que algumas faculdades passam você desde que pague, mas vai de cada um, é preciso saber escolher onde vai estudar.

Eu, pra fazer uma faculdade realmente boa, só tinha como opção passar na pública. Cada um tem seus sonhos e prioridades, muitos entraram na particular por pensar que não tinham tempo pra ficar parado estudando pra um processo seletivo muito concorrido e estressante. Eu tentei a pública por não ter condições de pagar mais de mil reais e me formar em uma UCB da vida. Ter dinheiro não é vergonha não. Sorte grande de quem tem. Sorte minha que consegui passar no vestibular (ainda bem).